Publicações mais recentes

Quando as plataformas de mídias sociais deixam de funcionar, sua lista de emails se mantém firme

Quando as plataformas de mídias sociais deixam de funcionar, sua lista de emails se mantém firme

Além do Email • 17 de março de 2017

A regra número um de qualquer projeto de web design  é manter o máximo de seus dados e mecânica sob um só guarda-chuva. Eis o por quê: Se estiver construindo um site que depende de aplicativos e plataformas de terceiros para rodar, você está comprometendo a sua capacidade de manter seu site e dados intactos, pois esses aplicativos e plataformas morrem naturalmente ao longo do tempo. Digamos que você invista 5 mil reais em um site, mas depois conta com um aplicativo de terceiros completamente diferente para desenvolver o fórum da comunidade - o que vai fazer se esse aplicativo de fórum de terceiros sai do negócio? O que você fará se ele for vendido a outro negócio que, em seguida, muda de preços ou o próprio modelo? Em qualquer uma dessas situações, seus ativos digitais estão completamente comprometidos e fora de seu controle. Não é incomum que até mesmo os aplicativos mais populares deixem de usar aplicativos de terceiros que usavam inicialmente. De fato, o Snapchat fez exatamente isto recentemente. O que nos leva de volta a como as mesmas regras de segurança e dados se aplica aos nossos negócios de outras maneiras menos conhecidas: nossas plataformas de mídias sociais. Aplicativos de terceiros não são a única coisa a deixar de existir. Pense em todas as plataformas de mídias sociais que foram criadas e desapareceram. Talvez você não tenha usado algumas delas, mas muitos usaram o MySpace, por exemplo. O que aconteceu quando o MySpace mudou de direção para mais uma vez focar em música, e seus usuários optaram por migrar para o Facebook? Se todos os seus contatos estavam nesta plataforma, o que aconteceu quando eles próprios optaram por sair e migrar para outro lugar? Vejamos algumas das preocupações sobre dados que afetam apenas o MySpace. Após seu declínio, o MySpace levou junto os blogs de usuários. Todo o conteúdo e engajamento duramente conquistado desapareceu da noite para o dia para algumas pessoas. Foi particularmente prejudicial para os usuários que não tinham salvo o conteúdo em outro lugar ou que tinham o MySpace como sua plataforma principal. A plataforma fez este movimento em um esforço para se \"modernizar\". Todo o histórico de usuário e registros críticos desapareceram num piscar de olhos, sem qualquer aviso ou capacidade de recuperar o conteúdo. O MySpace e também o LinkedIn foram atingidos por hackers, em um ataque que comprometeu as credenciais de acesso de milhões de usuários - que por sua vez compromete suas contas. 427 milhões de contas do MySpace foram hackeadas e 100 milhões de usuários do LinkedIn foram atacados, suas informações então postas à venda na dark web. O Relatório de Investigação de Violação de Dados de 2016 indicou os crimes de segurança cibernética como uma das maiores ameaças, custando cerca de 2 trilhões de dólares até 2019. Qualquer plataforma de mídia social é um alvo. Quanto maior a plataforma, maior o alvo se torna. O mesmo vale para as plataformas de mídias sociais que podem ser atacadas por motivos políticos quando se trata de censura. Caso tenham se protegido contra tais ataques, não há nada que garanta que a empresa não irá mudar o seu método de prática ou de negócios, ou até ser vendida para outra empresa. Esta especulação é especialmente relevante no caso do Twitter e Facebook, à medida que se tornam mais envolvidos na política através da própria gestão ou dos interesses dos investidores. O ponto é que você não pode controlar a direção da plataforma no futuro, mas pode minimizar seus danos. O LinkedIn é um ótimo lugar para começar. Ela é a maior plataforma de negócios de mídias sociais que existe, permitindo aos usuários exportarem sua lista de contatos, podendo então integrar às suas listas de email. No final das contas, sua lista de email é o único ativo tangível real que você tem - a única coisa que permanece com você enquanto as plataformas ao seu redor são criadas e desaparecem. Ter uma lista de assinantes – especialmente os assinantes que for capaz de extrair das mídias sociais, caso essas plataformas deixem de existir –vale o seu peso em ouro. Estas são as pessoas que vão permanecer com você, mesmo que o cenário digital mude. Com o Automation Pro da Benchmark você pode configurar uma jornada para otimizar suas listas e aumentar o engajamento com seus assinantes. No final do dia, não é apenas sobre ter essa lista, é sobre como você a utiliza e mantém sua integridade.


Ler Mais
O engajamento com o cliente é a nova moda do email

O engajamento com o cliente é a nova moda do email

Além do Email • 10 de março de 2017

Para muitos, não faz sentido apenas enviar emails para seus assinantes. Há uma pessoa por trás de cada endereço de email, fato importante que não pode ser esquecido. Email marketing não é para os blasters do mundo que obtém um rápido retorno sobre o investimento, com baixas taxas de abertura e apenas poucas grandes vendas. A entregabilidade do professional de email marketing pode vir a sofrer. Obter êxito sustentável a longo prazo envolve criar um canal de comunicação com seus assinantes. Vamos voltar um pouquinho. Ao conversar com alguém da geração Y, já parou para contar o número de contas que usam ativamente nas mídias sociais? Ouça mais de perto e verá quantas vezes durante uma conversa eles vão dizer que não receberam uma notificação ou a notificação acabou sendo enterrada sob dezenas de outras notificações que vão se acumulando a cada minuto. O fato é que a geração Y está sobrecarregada com dados das mídias sociais. Sua conta de email, no entanto, é um dos lugares mais eficazes para chamar sua atenção e obter engajamento. Quase ninguém está competindo por sua atenção por lá. Para as gerações mais antigas, o email soa como algo ultrapassado devido a como esse grupo vê especificamente o email. Eles o veem como um fardo ao invés da oportunidade que é: um contato direto e ininterrupto onde você pode usar mais que 120 caracteres. É o lugar onde uma vez que eles clicarem, estarão em seu mundo. Não há outros comentários ou propagandas competindo por sua atenção. Durante esse tempo, eles são seus. É aí que começa o engajamento com o cliente. Começa com a percepção de que os emails não são simples memorandos, ou buracos negros onde as mensagens são sugadas para um vazio sem retorno. Na verdade, o email é o melhor espaço digital em tempo real onde VOCÊ pode se concentrar no seu público alvo. Isto é uma mudança de mentalidade, começando com a eliminação da palavra ”email” e substituindo por \"engajamento do cliente\". Assim, enquanto seus concorrentes ainda estão fazendo email marketing, você está na linha de frente da comunicação. Você está se engajando. Este não é um conceito totalmente novo que estou sugerindo que entendam. Seu negócio provavelmente já está na fase de engajamento. Vamos dar uma olhada em como esse é o caso: você deve ter acabado de entrar em contato com seu público alvo na época de férias de final de ano. Talvez você tenha criado eventos em tempo real para juntar sua marca e seus clientes. Ou mesmo através do telefone escuta sobre as preocupações mais recentes de seus assinantes e leitores. Você JÁ ESTÁ engajado. Agora deve apenas esticar isso um pouco para certificar-se de que suas campanhas de email refletem o mesmo valor agregado no contato direto do usuário com sua marca. A questão que invariavelmente acabam tendo é: como medir o engajamento? Mediria pelo número de cliques, taxas de abertura ou os acompanhamentos? Talvez seja uma combinação dos três, mas de acordo com a campanha, isso dependerá da chamada à ação desejada. Por este motivo não se atenha a uma só regra sobre como o engajamento é medido. Ela deve ser uma meta mutável. Dito isto, o engajamento com o cliente significa que você também estará medindo seu sucesso com base nos clientes engajados e não apenas nos números e análises. Por exemplo, uma taxa abertura de 100% é excelente para qualquer empresa. No entanto, mesmo com taxas de retorno impressionantes, como pode garantir que houve qualquer engajamento? Engajamento pode se parecer mais com uma taxa de abertura de 35%, porém com 3 respostas do leitor diretamente para você e 2 compartilhamentos em mídias sociais. É assim que se mede o engajamento com o cliente. Em termos mais simples, imagine que você organizou de uma festa. Todos na sua lista de convidados compareceram, mas ninguém se engajou com você. Ninguém riu, bebeu, dançou ou conversou. Quanto melhor teria sido o evento se apenas 5 das 55 pessoas comparecessem, mas todos se divertissem e falassem para seus amigos no dia seguinte sobre a ótima festa que foram na noite anterior? Isto é como deve ser o engajamento com o cliente. Não se trata de quem está na sua lista ou quem aparece na porta. É sobre quem ficou para se divertir e saiu com uma experiência compartilhável.


Ler Mais
Automatizando sua campanha para atração de leads

Automatizando sua campanha para atração de leads

Além do Email • 8 de fevereiro de 2017

Uma loja física não obtém êxito se as pessoas somente olham a sua vitrine. O sucesso começa ser medido caso alguém entre na loja, realize ou não uma compra e se a pessoa retorna, tornando-se um cliente leal ao longo do tempo. Esta é a mesma mentalidade que você deve ter ao considerar o seu marketing online. Não basta apenas ter um site e uma presença social. É ótimo se alguém se engajar com você através deles, mas a menos que eles entrem na sua “loja”, esse nível de engajamento é equivalente a olhar a vitrine; não gera muito resultado. O equivalente a entrar na sua loja é se inscrever na sua lista de emails. Isso é o que realmente importa, faça-os entrar em seu mundo, se expondo mais ainda ao seu produto, aumentando as transações em 66% e promovendo fidelidade à marca. Isso é o que é chamado de campanha de onboarding: o processo de conversão de visitantes do site em assinantes. Da mesma maneira que não gostaria se alguém ficasse do lado de fora da sua loja incitando as pessoas a entrarem – a sua vitrine deve fazer isso – você deve ter algum tipo de automação de email para integrar os assinantes. A maneira mais simples de fazer isso é com pop-ups em seu site. Esses pop-ups podem aparecer assim que alguém visita o site ou podem aparecer em diversos pontos da navegação. A idéia é que eles são automatizados, fazendo o trabalho duro para você na coleta de assinantes e lembrando os visitantes de que há outros caminhos para as vendas, dicas e itens exclusivos. Um bom exemplo de uma empresa que faz onboarding em uma indústria única, que mescla produto com serviço, é a Evernote. A Evernote sabe que para se ter onboarding é preciso criar engajamento com as pessoas rapidamente. Na semana passada, por exemplo, falamos sobre algumas das grandes campanhas iniciais de email onboarding que pode enviar. A sua abordagem neste email inicial pode variar. Sabemos, por exemplo, que 70% dos assinantes abrem emails em busca de ofertas e descontos. A Evernote sabe que o mais importante para seus clientes é a eficiência e estruturas organizacionais. Para explorar esse interesse, a empresa criou uma campanha de onboarding que envia emails automatizados a cada 2 ou 3 dias. As campanhas são numeradas sequencialmente, sendo que os usuários que receberem o email de número 3 vão notar que provavelmente perderam os emails de números 1 e 2, o que aumenta as taxas de abertura. O propósito da automação de onboarding da Evernote é fazer com que os usuários usem seu produto. A Evernote não se satisfaz com os usuários que apenas compram o produto. Suas campanhas estão focadas nos usuários que estão engajados com a empresa e confiam no produto. Afinal, sua assinatura será renovada se não for parte integrante do estilo de vida do indivíduo? Provavelmente não. A Evernote sabe disso, por isso fazem uma campanha agressiva de onboarding buscando o engajamento. Fazer com que seus leitores sejam parte do seu ciclo de automação de Onboarding Podemos – e devemos – sempre procurar uma maneira de empurrar a trave do gol mais adiante. Agora que entendemos como funciona a automatização de onboarding, a próxima coisa a se considerar é como estender esse ciclo de vida útil. A última coisa em que você deve pensar quando projetar seu email de onboarding é em um ícone de “compartilhar” que seja claro e bem visível para que as pessoas compartilhem a campanha nas mídias sociais. Ese pequeno truque faz com que seus leitores sejam parte natural do processo de automação de onboarding. Estudos mostram que 55% dos consumidores compartilham suas compras nas mídias sociais – um comportamento especialmente evidente na Amazon. Adicionalmente, também sabemos que o marketing de boca-a-boca, que é essencialmente um compartilhamento social, melhora o impacto do marketing em 54%. Não há nenhuma razão pela qual suas campanhas de email não podem ser consideradas como um produto, mesmo não havendo transações financeiras. Sendo assim, mesmo que tudo o que esteja fazendo é compartilhando conteúdo, continua sendo parte de sua marca e algo que pode ser incentivado a ser compartilhado.


Ler Mais
Campanhas de Email Criativas e Personalizadas para Aniversários

Campanhas de Email Criativas e Personalizadas para Aniversários

Além do Email • 31 de janeiro de 2017

As pessoas adoram se sentir especiais. Como profissional de marketing ou representante de marca, essa é uma grande “sacada” para você. Seja a ocasião um aniversário, o nascimento de alguém ou uma conquista especial, há certos marcos na vida de seu cliente ou público que você deve sempre comemorar. Porém, à medida que sua empresa cresce, torna-se mais difícil lembrar as datas — exceto os aniversários. Os aniversários são uma oportunidade perpétua, uma data anual consistente que sempre terá um significado especial para seus clientes. Essa é a data que também deve ser importante para você. Reconhecer o aniversário de seus clientes nos dá a oportunidade de dizer: “Ei, olhe para mim!” É claro, você está reconhecendo o dia especial deles, mas esse reconhecimento vem de você, então eles também vão reconhecê-lo. Esta é uma ação clássica das mídias sociais: sempre deseje um feliz aniversário para as pessoas. Muitas vezes isso simplesmente coloca você no radar da pessoa e/ou leva ao início de um diálogo. É aí que o e-mail marketing é mais especial do que outras mídias. Se você enviar para o seu assinante uma campanha de e-mail de aniversário — especialmente se for personalizada —, você pode lhe enviar um cartão digital em vez de algo que todo mundo está fazendo, que é apenas enviando uma mensagem. Campanhas de aniversário podem ser automatizadas. Acrescente a tarefa ao seu sistema de gerenciamento de projetos — reservar umas duas horas no início de cada mês ou trimestre e programar as campanhas de e-mail. Quanto mais personalizadas, melhor. Até usar o nome de alguém ou identificar seu estilo e enviar-lhe algo feito especificamente para atender seus gostos mostra que você deu um passo além do esperado como marca. Ao enviar uma campanha, você pode oferecer um cupom de desconto ou um brinde com uma compra. Se for possível, a melhor opção seria enviar um pequeno presente que pode ser resgatado digitando um código especial em sua landing page ao finalizar o pedido. Pode ter um valor de R$10 ou R$5, mas é algo que os assinantes estão recebendo gratuitamente e que chama sua atenção. Até mesmo direcionar um consumidor para a sua landing page para digitar o código — mesmo sem ter comprado nada — vai provavelmente levá-los a efetuar essa compra. No entanto, realmente se trata de mais do que apenas a compra. Trata-se da marca e de criar-se laços com os consumidores. Sephora, uma enorme loja de maquiagem, oferece um brinde bem significativo em tamanho. Ela oferece sabonetes ou sais de banho especiais com aroma de “bolo de aniversário”. Para a loja, isso é uma gota de água no oceano, em comparação a quanto eles faturam por ano. Para os receptores, o assunto foi muito comentado e fez com que mais pessoas assinassem a lista de e-mail para receber o brinde. O verdadeiro lado bom de doar algo numa campanha de e-mail é primeiramente levar pessoas a se inscreverem como assinantes. Mesmo que você dê algo de pequeno valor para você, você está adquirindo assinantes que provavelmente vão permanecer com você por um tempo, o que significa que eles também serão expostos a outras campanhas de e-mail. E quem disse que o ato de doar é mais recompensador do que o ato de receber? Se planejar direito, você pode tanto dar como receber para benefício mútuo.


Ler Mais
Ano em Revista: Os mais importantes desenvolvimentos do email marketing em 2016

Ano em Revista: Os mais importantes desenvolvimentos do email marketing em 2016

Além do Email • 19 de dezembro de 2016

Este ano foi um grande ano para os profissionais de email marketing. Tem sido um ano onde as plataformas de email marketing  crescem e simplesmente ao mesmo tempo. Por um lado, temos formas mais dinâmicas de ser profissionais de marketing e, ao mesmo tempo, não precisamos de tantos cozinheiros na cozinha para criar algo que será impactante e impressionante. Segue abaixo as duas principais mudanças que afetaram o panorama de email marketing. São também as duas coisas que pode fazer neste mês para começar 2017 em pleno vigor. Desenvolvimento #1: Esqueça o \"Olá a todos\" Por que é importante: Diversas vezes ao longo dos anos sugerimos abandonar os emails em massa de vez em quando e favorecer a personalização. De fato, no ano passado falei sobre o benefício de listas de email específicas, oferecendo quatro etapas fundamentais para passar por esse processo. Em anos anteriores recomendei criar um perfil de cliente para ajudar com o que mais tarde leva à segmentação. No entanto, alguns profissionais de marketing agora estão sugerindo abandonar completamente as campanhas de email em massa por nenhuma outra razão além de não capturar os sentimentos de um negócio focado no indivíduo. Existe agora um novo termo para isso: hiper-personalização. Sobre a necessidade de personalização, Keval Padia, da Business 2 Community, escreve: \"Os destinatários de emails estão agora interessados em mensagens dirigidas ao gosto pessoal, preferência e áreas de foco ao invés de apenas o seu primeiro nome.” A razão para isso é maior interação. Quando você é capaz de personalizar, é capaz de se conectar melhor com um destinatário. Padia acrescenta: \"Emails que dirigem a interação do usuário já colhem maior envolvimento do usuário. Ao garantir a interatividade do usuário dentro do email, profissionais de marketing podem garantir uma taxa de cliques muito mais alta, tráfego para o site correspondente e conversão de negócios.” Como é aplicado: Então, como se faz isso? Você começa olhando para ambas as extremidades do telescópio, por assim dizer. Aproveite o fato de que é fim de ano. Olhe para todas as campanhas passadas que teve ao longo do ano e comece a traçá-las - sua audiência, seus temas, etc. Com isso terá uma idéia de quais os tipos de campanhas e temas em você se concentra mais. Em seguida, olhe para a sua lista de assinantes e execute o perfil do assinante, se ainda não o fez. Garanto que isso é exatamente o que seus concorrentes estão fazendo. Pergunte a si mesmo de onde são seus assinantes, como é seu estilo de vida, os setores em que trabalham, os seus interesses? Caso tenha tempo, execute uma análise mais aprofundada, se possível sobre onde eles se engajaram. Você começará a ver pontos de interseção que talvez não estivessem visíveis antes. E, no mínimo, começa a ver quais campanhas de email poderiam ter sido personalizadas e para quem. Mesmo se tiver emails em massa que ainda precisa enviar, você pode enviá-los com base em nada mais do que fusos horários, garantindo que tais campanhas cheguem em um momento oportuno para o leitor. Insiders da indústria estão prevendo que dentro dos próximos cinco anos, a personalização será o padrão da indústria. Quando perguntado, \"o que você acha que será a maior mudança dentro de email marketing, daqui a 5 anos\", uma pesquisa da Econsultancy mostrou que 76% dos entrevistadores viu a hiper-personalização como um atributo chave avançando nos próximos anos, enquanto que 74% deles ainda via email como relevante. Para profissionais de marketing, isto significa reforçar a sua estratégia de email em 2017 e aplicar a personalização agora para manter e aumentar a base de assinantes. Desenvolvimento #2: Profissionais de email marketing também querem a hiper-personalização Por que é importante: A hiper-personalização não se limita apenas aos assinantes. Os clientes que usam software e plataformas de email esperam o mesmo das ferramentas que usam. A automação de marketing já evoluiu a partir do design de arrastar e soltar que atualmente é uma característica comum da maioria das plataformas, e está procurando algo mais avançado. O ano de 2016 foi marcado como o ano em que os profissionais de marketing começaram a perceber essa demanda, o que lhes permitiu serem mais personalizados. Mas também perceberam que esta é uma tarefa árdua para se acompanhar, e agora estão virando a cabeça procurando algo para ajudar com isso. O usuário de marketing que entende que o email é mais do que apenas uma única campanha, sabe que precisará de algo como um guia em um ciclo de comunicação. Nós conversamos sobre isso antes, com campanhas de acompanhamento (drip campaigns), ou campanhas automatizadas acionadas por novos assinantes ou uma iniciação de carrinho que não foi concluída com um checkout. Mas, no passado, essas automações exigiram que a inteligência humana as acompanhasse e seguisse. Até agora este processo não foi automatizado. Como é aplicado: Poucas plataformas de email marketing intensificaram o seu jogo. A Benchmark é uma delas, desenvolvendo um sistema de automação em 2016. Chamado de Automation Pro, o sistema está atualmente em seu período Beta de 1 de dezembro de 2016 a 31 de janeiro de 2017. Pense no Automation Pro como uma sistema capaz de transformar sua plataforma de email marketing, automatizando e alterando sua forma sem que tenha a necessidade de manualmente cavar e re-alinhar as peças para criar um novo formulário temporário capaz de algo diferente, de acordo com as suas necessidades do momento. Por exemplo, caso tenha que enviar uma campanha de boas-vindas para um novo assinante, ou enviar uma campanha em uma data especial ou lembrete, você precisará procurar no back end e criar manualmente a campanha para enviá-la aos destinatários. O Automation Pro - um sistema compreensivo que entende as maiores mudanças da indústria de 2016 - faz isso para você. Mais importante, o Automation Pro também antecipa para onde os profissionais de marketing estão indo em 2017. O sistema apresenta uma opção chamada de \"automação de engajamento\" (engagement automation), que envia automaticamente um email quando um assinante abre um email, ou clica em qualquer link. Você pode aprender mais sobre o Automation Pro aqui.  


Ler Mais
Gmail Recebe Atualização Inovadora de Design Interativo

Gmail Recebe Atualização Inovadora de Design Interativo

Além do Email • 9 de dezembro de 2016

No mês passado, o Gmail lançou novas ferramentas de email que incluem fontes, estilo e acessibilidade CSS, e disponibilizou um time de suporte para ajudar os usuários com essas novas integrações. Isso parece apenas um monte de linguagem técnica mas é importante entender que o Gmail atualizou seu sistema de email para ser mais interativo. Deixe-me explicar (e vamos fazer isso voltando um pouco no tempo). Quando as redes sociais alcançaram seu ápice, as pessoas acharam que seria o fim do email. Erraram. Assim como as plataformas de rede social cresceram na velocidade de um foguete, o email deu suporte para os usuários que estavam perdidos entre tantas plataformas que competiam por sua atenção. Você pode dizer que o Facebook e o Twitter ainda dominam o mercado, juntamente com o Instagram, mas vamos dar uma olhada rápida nisso. O Facebook está enfrentando controvérsias (até mesmo insurgência entre seus concorrentes) por estar censurando conteúdo e perfis. O Twitter acabou de enfrentar uma série de ataques mundiais de hackers que limitaram o acesso a seus usuários. O Instagram é somente uma plataforma bonita onde se adicionam fotos, sem possibilidade de conteúdo sério. Agora sobra o email, que ressurgiu na superfície novamente em importância e viabilidade. A mesma coisa está acontecendo novamente com aplicativos de smartphone. Há simplesmente muitos apps de dispositivos móveis que estão seguindo o mesmo caminho que as plataformas de mídias sociais fizeram. Apenas um pode existir – parece – e, mais uma vez, é o email. Inclusive, email por meio de dispositivos móveis é o método preferido de comunicação digital, mesmo comparado a portais de email no desktop. Dave Bailey, do Medium, se refere ao email como “cavalo negro” persistente, especificamente porque em face a métodos em transição do uso da tecnologia, o email ainda domina o mercado. Isto é, você é dono do seu email (o que não pode ser dito de plataformas de mídias sociais ou aplicativos móveis). Bailey também comenta sobre o aumento das capacidades interativas do email ao pontuar o mito primeiro. MITO: “Já que o email não tem JavaScript, que é a linguagem de programação por trás da maioria das interações na web, temos a tendência de enxergar o email como algo exclusivo para leitura, um canal de apenas uma via; bom para compartilhar chamadas para ação que façam as pessoas voltarem ao seu website”. REALIDADE: “O que a maioria das pessoas não percebe é que o CSS3 permite interações básicas, como alternar entre abas, sem qualquer rastro de JavaScript. Mark Robbins, da Rebel Mail, descreve uma técnica chamada de ‘Punch Card Coding’ que usa apenas o CSS para permitir que usuários cliquem em botões que alteram o que podem ver na tela, basicamente tendo cada permutação como uma ‘aba’ diferente”. Se isso ainda soa desconhecido, confira o exemplo que o Bailey compartilhou sobre como os dados e a imagem da tela podem mudar em tempo real sem que seus usuários tenham que clicar num botão e redirecioná-lo a outra página. Se você considerar que havia um bilhão de usuários do Gmail até fevereiro de 2016 – e 90,7 milhões deles usam o aplicativo Gmail –, está diante de uma maneira completamente inovadora de vender. If it still sounds completely foreign, check out the example Bailey shared about how the screen data and imaging can change in real-time without your users have to click a button and re-routed to another page. If you consider that there are one billion Gmail users as of February 2016 – and 90.7 million of them use the Gmail app – you’re looking at a completely game-changing way to sell.


Ler Mais
Como Se Comunicar com Ex-assinantes sem Soar como um Ex-namorado Melancólico

Como Se Comunicar com Ex-assinantes sem Soar como um Ex-namorado Melancólico

Além do Email • 24 de outubro de 2016

Sem dúvida, o sentimento mais triste na Terra é a notificação de que alguém cancelou a sua assinatura de email. Antes de eu começar a personalizar minhas campanhas de email, isso acontecia comigo em quase todas elas. O primeiro passo é entender o óbvio. O que deve ser óbvio é não esperar meses se passarem depois de uma nova assinatura até de fato enviar algo ao assinante. A essa altura, ele sequer lembra de você. A chave é encantar o novo assinante logo de cara e interessá-lo no que você tem a dizer. O segundo passo é se esforçar para entrar em contato com ele. Eu fiz o seguinte: Da última vez que alguém cancelou uma de minhas assinaturas, enviei uma mensagem para a pessoa (já tinha o email dele) e apenas escrevi uma breve mensagem dizendo que eu estava triste por vê-la partir, e então perguntei se o motivo era porque o conteúdo não era o que ela esperava. Eis por que essa é uma abordagem brilhante e simples: Leva só um segundo para fazer. Cria um vínculo pessoal que me permite sair de trás da cortina de email marketing, tornando-me mais real para ele e até me fazendo sentir um pouco constrangido por cancelar a assinatura. E eu obtenho informações valiosas. Esse homem não tinha percebido que havia cancelado a inscrição (o que me levou a pensar em quantas outras pessoas estão fazendo a mesma coisa e no fato de talvez haver um problema com a localização do botão Cancelar, tornando-o muito acessível). Essas perguntas são constantes, importantes e elas mantêm afiadas as suas habilidades em enviar emails. A segunda parte da informação valiosa que recebi foi como ele se sentia sobre a marca e por que ele a amava. Acabamos tendo uma pequena conversa sobre o porquê de a marca o atrair e sobre como ele enxerga valor nela — enquanto isso, eu pensava: “Incrível!” Isso me dá uma perspectiva imensa e me ajuda a avaliar o que estou fazendo certo para continuar assim. A chave para se comunicar com ex-assinantes é não soar como um ex-namorado melancólico e desesperado. Você simplesmente quer enviar uma mensagem curta e amigável — apenas uma cutucada. Talvez eles respondam, talvez não. De qualquer forma, você fez sua parte e segue em frente. Você deve ser casual, descontraído e talvez até engraçado. Você deve dar às pessoas a oportunidade de ver o que elas vão perder se saírem — e isso significa não insistir. É claro, nesse primeiro email você também deve dar às pessoas a oportunidade de voltarem a se comunicar com você outra vez. Então, ofereça um hyperlink na primeira cutucada porque eles podem voltar sem necessariamente querer iniciar um diálogo com você. Mas na maioria dos casos, desde que comecei a fazer isso, as pessoas realmente respondem a uma mensagem ou duas, o que também ajuda você a conhecer melhor o seu público-alvo. Em um nível de empresa, esse é o tipo de trabalho adequado para um coordenador de diálogo que também esteja trabalhando com as mídias sociais.


Ler Mais
3 características sobre os pais da geração Y

3 características sobre os pais da geração Y

Além do Email • 16 de junho de 2016

Já falamos em nosso blog sobre o marketing voltado para as mães da geração Y, e agora chegou a vez de analisarmos também os pais: Os pais da geração Y fogem às regras quando o assunto é estereótipos de gênero para homens. Eles desafiam o mito mais comum para os homens nos dias de hoje, e sendo assim, analisemos outras verdades que precisamos de compreender sobre os homens. Homens são emocionais. O primeiro fato é que, ao contrário do que muitos pensam, os homens sentem emoções. Este mito da ausência emocional decorre da ideia de que os homens não têm sentimentos; e isso vem do patriarcado. Mas há uma diferença entre ter sentimentos e mostrar sentimentos. As gerações mais velhas foram ensinadas a não demonstrar qualquer emoção, mas isso não significa que eles não as tenham. Na verdade, pode-se argumentar que o cenário emocional de um homem é provavelmente ainda mais frágil do que o de uma mulher porque ele raramente é posto à prova. Há algo que devemos falar sobre os homens e suas emoções. Podemos argumentar que por serem menos explorados, os homens também possuem menos conflitos quando têm que lidar com problemas, e assim distinguem emoções de fatos facilmente. É por isso que muitas pessoas acreditam que homens buscam soluções enquanto as mulheres buscam discussões. Mas é claro que não há divisões rígidas quando se trata de gêneros, alguns homens são mais emocionais e algumas mulheres mais racionais, naturalmente. Sendo assim, quando se trata do seu marketing, lembre-se que os homens são criaturas focadas e fortemente atraídas por recursos visuais. Você conseguirá mais atenção deles com visuais específicos e até mesmo vídeos. Aproveite isso. Mantenha o conteúdo escrito de seu email curto e conciso, de modo que sua chamada para ação ganhe mais destaque na mensagem. Homens são tão importantes quanto as mulheres na criação dos filhos. Homens desempenham, na verdade, um papel duplo quando a paternidade é iminente. Eles se deparam com pensamentos sobre como serem mais seguros e fornecerem essa segurança também à suas famílias, sendo ainda uma fonte de suporte para as mães de seus filhos. E tem mais. A LiveScience mostra que o \"cérebro masculino torna-se especialmente preparado para a cooperação nos meses anteriores de se tornar um pai. Futuros pais passam por mudanças hormonais... o que provavelmente incentiva o comportamento paternal \". Beyond that, fathers question their significance as parents. Many don’t know that the type of paternal play fathers engage in (spontaneous interaction and rough housing) is important for building confidence in a child’s early development. Neste anúncio da Coca-Cola vemos que se trata de manter o bebê vivo. Quase que literalmente, essa é a prioridade número 1 para um pai. Mas eles são mais do que isso. Alguns papais não percebem que seu papel paternal é crítico para o desenvolvimento de uma criança. Este vai ser o trabalho do seu departamento de marketing: mostrar dois valores: valor de um pai para seu cônjuge e o valor de um pai para a criança. O comercial da Coca-Cola reflete muito bem o pai moderno: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=yRqUTA6AegA[/embed] Nenhum homem é - ou deseja ser - isolado. O pequeno detalhe interessante sobre os homens é que eles tendem a não ser tão competitivos com os outros como as mulheres, especialmente conforme envelhecem. Nesse sentido os homens são mais propensos a ajuda e cooperação, mas ainda assim têm de se esforçar para iniciar isso. E quando se trata do seu marketing, seu objetivo será o de imitar essa cooperação.


Ler Mais
Poder de compra das mães: porque investir em mães é uma ótima ideia?

Poder de compra das mães: porque investir em mães é uma ótima ideia?

Além do Email • 8 de junho de 2016

Vamos ser sinceros, as mães são as grandes decisoras de compras quando o assunto é produtos para casa ou para família. E isso inclui também os homens da família, uma vez que as mulheres são suscetíveis a influenciar (ou até controlar) o que eles compram. Na verdade, há inclusive um termo em inglês para isso: she-economy. Um relatório da Greenfield de insights sobre as mulheres apresentou alguns fatos incríveis sobre o poder de compra delas em diversos os setores. Para começar, as mulheres são as decisoras em 91% das compras de novos imóveis. Outras indústrias e porcentagens de mulheres como decisoras de compra incluem: 66% Computadores 92% Férias 80% Cuidados de Saúde 65% Carros Novos 89% Contas Bancárias 93% Alimentos 93 % Produtos Farmacêuticos OTC 58% Do Total de Gastos Online O investimento total destas mães a nível global chega a 20 trilhões de dólares, mas há muito mais do que isso. As mulheres estão esperando mais tempo para ter filhos, e por isso o grupo demográfico de mães com mais influência corresponde às mulheres mais velhas ou mães mais maduras na casa dos 30 anos ou mais. A razão para isso é que, nessa idade, elas têm muita mais liberdade de decisão sobre suas rendas. Já quitaram as contas estudantis e provavelmente estão em carreiras estáveis com salários estáveis. Bom, agora você sabe que as mães têm um grande poder de compra em termos de autonomia e de capital. A próxima pergunta portanto é: você está investindo nelas? Há uma boa chance de você estar passando reto por elas de alguma forma. Um levantamento de 5330 mães realizado em março de 2015 pela FanFinder mostrou que: 35% das mães se sentem \'rotuladas\' pelas marcas 46% acreditam que o marketing as pressiona e tem ideias irreais 28% acreditam que o marketing voltado para mães é machista 32% acreditam que o marketing voltado para mães é paternalista 87% acreditam que as marcas deviam incorporar os pais mais no marketing As mães têm uma coisa em comum: elas querem ser compreendidas. Sendo assim, quando planejar o marketing para este grupo comece olhando para que tipo de mãe você está lidando: Mães trabalhadoras Mães donas de casa Mães da geração Y Mães da geração X Se você está voltado para as mães que trabalham, não descarte que haja uma boa chance de que ela seja o principal \"ganha-pão\" da casa e talvez até mesmo uma mãe solteira. Mães trabalhadoras são geralmente motivadas por duas coisas: a culpa e eficiência. Há sempre um nível de culpa de que elas não estão lá o suficiente para os seus filhos, então elas vão ser motivadas por decisões que ajudam a enriquecer a vida de seus filhos e pelas decisões que podem ser feitas de forma simples. Estas mães são muito parecidas com as mães da geração X (nascidos entre 1965 e 1980), que usam a tecnologia para buscar um equilíbrio. Isto significa que este grupo irá responder mais favoravelmente à campanhas personalizadas de email marketing. Mães que ficam em casa, por outro lado, vão se preocupar mais com a \"barganha\". Com uma renda menor, elas estão motivadas por barganhas e além disso não têm a pressão de seus escritórios como as mães trabalhadoras. Isto significa que ainda que ambos os tipos de mães tenham pratos cheios, mães que ficam em casa têm mais tempo para negociar e buscar produtos. Normalmente elas vão atrás disso pelos canais sociais de uma marca. Mães que ficam em casa e mães da geração Y têm isso em comum; elas são usuárias ávidas das mídias sociais.


Ler Mais
Checklist: Como filtrar seu departamento de marketing inteiro através da conversão heurística

Checklist: Como filtrar seu departamento de marketing inteiro através da conversão heurística

Além do Email • 23 de maio de 2016

A Conversão Heurística - a nova fórmula do marketing - soa como uma típica experiência de marketing cujo objetivo é conduzir à conversão. Mas se você está no marketing, deve saber que o buraco é mais embaixo. Seu dia-a-dia não gira em torno apenas do ponto de conversão, mas sim, das disputas presentes no departamento de marketing. Portanto a questão é como você pode aplicar a geniosidade da conversão heurística à todo seu departamento de marketing. Ao contrário do que falamos sobre conversão heurística até agora, quando se trata de um departamento de marketing, você não deve olhar para fórmula inteira, mas sim para partes dela, com o \"a\" e o \"f\" divididos por outras variáveis para se chegar ao \"c\". Sendo assim, há um pouco de álgebra e remanejamento de valores, mas os valores ainda são os mesmos. Bem, agora temos a ansiedade e o fricção (entenda por atrito se preferir) como as primeiras figuras a enfrentar. A questão é: como você lida com isso no seu departamento? No que se refere ao consumidor, \"a ansiedade é definida como qualquer desconforto psicológico que um usuário passa quando ele está visitando um site em qualquer fase do ciclo de compra. A ansiedade não resulta em nenhuma ação de conversão\". Seu departamento pode ser visto como um consumidor, no sentido de que os membros da equipe estão consumindo o que há por trás da sua marca - e essa marca é definida pelo dia-a-dia do negócio. Eu trabalhei em pelo menos 3 agências de marketing diferentes e eu diria que o desconforto psicológico é um fator bem grande em qualquer departamento de marketing disfuncional. Isso não quer dizer que o sentimento reflete na sua marca, empresa, valores ou mesmo capacidade. Isso significa que se sua equipe de marketing está sofrendo psicologicamente - através de stress, insegurança, desorientação, etc. - então você tem um problema de ansiedade. Ansiedade é o sintoma de um problema maior, e esse grande problema é a fricção. Se o seu departamento de marketing sofre de fricção (atrito), então você vai ter mais do que apenas a ansiedade para lidar. Outros resultados da fricção neste departamento incluem a redução das vendas, clientes insatisfeitos e menor produtividade. Os departamentos de marketing são as \"mitocôndrias\" de qualquer negócio; se ela sofre, o mesmo acontece com o resto da célula. Então o que exatamente provoca fricção em um departamento de marketing? Felizmente, a resposta para isso é bastante simples: processos. Processos (uma estrutura necessária mesmo nos ambientes mais criativos) permitem a comunicação contínua entre as diferentes partes. As pessoas sabem o que esperar, como se comportar, a quem recorrer. Um processo é um guia ou um modelo de comportamento que realmente conduz a suposição e comunicação frenética - e erros subsequentes - para fora da equação. Você sabe onde você pode ser criativo no marketing, e é em fazer o trabalho e trazer ideias. Mas a maior parte do trabalho de marketing não se trata de ser criativo - se trata de como gerenciar a criatividade e expectativas, e é aí que os processos de entrar. Ter um processo reduz muito da ansiedade entre os membros de um departamento de marketing. Provavelmente, você tem uma equipe altamente talentosa, mas a ansiedade em seu departamento está segurando seu potencial. Combata a fricção (ou atrito) e com isso você enfrenta a ansiedade.


Ler Mais
1 2 3 4 8