Tags: evolucao

A evolução do E-mail: como o E-mail Marketing mudou ao longo dos anos

A evolução do E-mail: como o E-mail Marketing mudou ao longo dos anos

Além do Email • 18 de junho de 2015

“Não é a espécie mais forte que sobrevive, nem a mais inteligente. Mas sim a que é mais capaz de se adaptar.” – Charles Darwin O primeiro email foi enviado há 44 anos. O primeiro e-mail comercial usado para fins de marketing foi enviado em 1978 por Gary Thuerk, o então gerente de marketing da Digital Equipment Corp. Tornando-se a primeira campanha de email marketing do mundo, sua ideia era promover as máquinas da sua empresa para 400 usuários via Arpanet. Foi um evento inovador que fez a Digital Equipment Corp. faturar 13 milhões de dólares em vendas. Em 1991, a internet se tornou amplamente disponível para os novos sistemas públicos de comunicação que surgiram, incluindo o “Hotmail”. Um serviço gratuito que deu a cada pessoa com um computador o acesso à um novo território inexplorado do marketing. Ainda assim, a adoção e uso do email era uma novidade. Na próxima década, o marketing ainda estava focado no cara-a-cara, no telefone, materiais impressos e sistema postal. A comunicação via email ainda estava na sua infância. A maioria das pessoas se comunicavam por meio do telefone ou mesmo pessoalmente. É capaz que alguma relíquias dos anos 80 ainda enviam cartas ocasionalmente. Isso começou a mudar um pouco a partir do final desta década. Em meados da década de 90, as empresas mais passaram a confiar mais na comunicação via email como um complemento às outras formas de comunicação tradicionais. Os comerciantes, no entanto, entenderam rapidamente. Caixas de entrada inundadas com lixos eletrônico resultaram na introdução da Lei de Proteção de Dados em 1998, que exigia que todos os usuários de email marketing incluíssem a opção “opt-out”. O ano de 2003 viu mais uma rodada na legislação de defesa do usuário de email, e a Europa passou a usar suas próprias leis para proteção dos usuários de email. Quem não se lembra do som do AOL se conectando? Em 1998, quase todo mundo usava AOL – empresas, famílias, estudantes. O AOL serviu como uma ponte ao email para famílias, tornando-o parte do dia-a-dia de todos aqueles com conexão em rede. Mas a AOL fez mais que isso. Em 2004 eles começaram a devolver as informações do usuário para os Serviços Provedores de Email. O Hotmail e o Yahoo rapidamente seguiram o exemplo. Era o início da coleta de dados. A mudança das tecnologias na década de 2000 com o advento das plataformas sociais e dos smartphones mostrava como as pessoas estavam trocando o modo de se comunicar. Enquanto o email marketing ainda era o principal competidor, ele estava lutando para disputar a atenção em meio às plataformas sociais. Redes sociais e email eram dois mundos diferentes. O salto evolutivo em e-mail marketing realmente chegou nos últimos cinco anos. O email teve que se adaptar em quatro diferentes formas de modo a espelhar a mudança criativa e social que estava acontecendo digitalmente. O email agora precisava ser bem projetado; ele precisava entender as redes sociais, integrando as estratégias sociais com estratégias de e-mail; ele precisava de inteligência de marketing responsivo e de marketing de proximidade, testes A/B, e segmentação; e precisava ser abrangente, e se adaptar à forma como as pessoas estão se engajando. E isso e muito mais foi feito. De fato, o email se saiu bem com as redes sociais em termos de uso e conversão. Ele agora é adaptável à todas as formas de marketing multimídia. Isso você não pode dizer de nenhuma outra plataforma de marketing.


Ler Mais
O próximo salto evolutivo do Email Marketing

O próximo salto evolutivo do Email Marketing

Além do Email • 15 de junho de 2015

Um olhar sobre a evolução do Email Marketing nos mostra que o email não mudou sua forma ou função, mas sim sua face. Foi necessário se adaptar ao modo com que ele engaja usuários devido às mudanças evolutivas na forma de se comunicar, interagir e utilizar a tecnologia. E o próximo salto evolutivo do Email Marketing já está acontecendo com estas quatro práticas rapidamente adotadas. Criar layouts inspirados em revistas para campanhas de email impressionantes Você pode ter notado que as newsletters de email estão adotando um novo design criativo e elegante que se assemelha a um editorial da The Atlantic. A idéia é se preocupar tanto com um design criativo avant-garde quanto com uma newsletter responsiva às várias formas de visualização. Um design elegante significa que se você estiver em um desktop, tablet ou celular, você terá uma visão clara da campanha de e-mail. O design inspirado em editoriais avant-garde tem uma segunda função: é lindo. Ele chama atenção, é visto e compartilhado. Dê uma olhada na campanha da Need Supply Co sobre roupas para homens. Oferecer assinaturas de email em Pop-ups Caixas de Pop-up que aparecem quando alguém visita o seu site têm sido muito populares. É uma forma instantânea de chegar ao seu visitante e facilutar sua assinatura. A psicologia nos diz que as pessoas muitas vezes fazem o que lhes é pedido. Solicitar à uma pessoa comum que se inscreva para suas newsletters diárias e fornecer uma maneira simples e fácil para tal, fará com que a mesma se assine seu conteúdo. Aqueles que visitaram seu site correndo ou que optaram por cancelar a assinatura da primeira vez agora terão uma segunda ou mesmo uma terceira chance. Você também pode personalizar o conteúdo para o qual eles estão se inscrevendo. Por exemplo, alguém pode não querer sua newsletter, mas sim ofertas de preços. E eles vão se inscrever para isso. E agora que você capturou mais um assinante quem está interessado em fechar negócios é você. Segmentar listas de assinantes com base na localização Em outras palavras: marketing de proximidade. Esta é outra abordagem para segmentar listas de clientes, e também é baseada no próprio marketing de localização do Google. Segmentar usuários em diferentes áreas permite que a campanhas de email marketing seja pessoal e única com base na região do usuário. Usar vídeos para encorajar engajamento e conversão Infelizmente a maioria das empresas ainda vê o vídeo como um gene mutado; elas não sabem ao certo porque o vídeo está lá ou o que devem fazer com ele. Mas realmente, a maior parte da cautela vem da falta de familiaridade em ser você mesmo. O vídeo não tem que ser uma produção de Hollywood. É apenas uma maneira de ser você mesmo e mostrar sua marca como se você estivesse com seus leitores pessoalmente, principalmente se você quer que eles comprem seus produtos. Inserir um vídeo em seu e-mail é bastante simples.


Ler Mais